14 de fevereiro de 2014



Este blogue termina aqui. Na realidade há muito que terminou. Continuará em outro lugar. A anunciar. Há em mim uma gratidão imensa por ter sido lido e por todas as mensagens de correio electrónico que recebi. Não respondi à grande maioria delas, é certo, mas li-as com a máxima atenção. A caixa de comentários cedo foi vedada devido ao perpetuar de equívocos e disparates. Mas a vida é sempre mais. Prevalece. Há o amor imorredoiro. E depois há o resto. Durante estes anos todos acreditei que Azul Neblina fosse uma mulher. Não é. É algo orgânico. Muito mais bonito.

[como é evidente, o blogue não termina aqui - a menos que invoquemos aqui uma violação cronológica qualquer]