14 de maio de 2012

Reaprender a escrever

Se um dia me perdesse a escrever-te mais uma carta de amor que fosse, evocar-te-ia as "Variações de Goldberg" e todas as interpretações da Beleza como uma verdade absoluta, impoluta mas também estocástica, Azul Neblina.