3 de novembro de 2007

Canela, Açafrão e Cardamomo


Começava assim:

"Nisto espiava a orla do mar, convencido que os barcos que por ali passavam escondiam nos seus porões especiarias dos mares da China, tesouros capaz de fazer inveja a Sindbad e ao capitão Ahab entretido na sua contenda com o vigoroso cetáceo branco, olhos marulhando em direcção aos baleeiros-fantasma que rumavam de Spitsbergen e Gronelândia com a sua carga infame de marinheiros de rosto crispado e enrustido pelo Sol e pelo salitre - mãos onde cabem toda a vileza do mundo, mãos antecipando o aguilhão que rasga a carne e mancha de viril sangue o azul impossível -, e certo é que o único deus que estes conhecem é aquele que lhes confiou a empresa de espalhar a sífilis e a gonorreia por longitudes alheias. Marinheiros da gangrena e do escorbuto, saqueando e levando a pestilência aos portos com os nomes mais doces e perfumados."