11 de julho de 2007

Assimetria


Não sentes a minha falta, esses lábios doirada e delicadamente encostados à auréola que orla o teu mamilo, a língua desbravando elipses como órbitas irregulares de astros circundando o Sol, o teu imenso Sol de argêntea certeza que se humedece e contorce?

Enumero: mamilo esquerdo e elipses descontraídas que não são círculos. Concluo nunca ter compreendido esta quebra de simetria quando enceto a manobra de aproximação ao teu corpo.