10 de junho de 2007

Lições de Astrofísica IV ou Óptica I


A criança pergunta o que é o cristalino dos olhos. A mim, apetece afirmar que este é apenas uma lente convergente cuja única tarefa se resume a focar a luz para o interior do olho e, de forma doutamente distraída, discorrer um pouco sobre a disciplina da Óptica. Preparo-me para confabular sobre o sistema óptico córnea-cristalino mas limito-me a apertar-lhe ainda mais a sua mão franzina e, antes de estugarmos um pouco o passo, acerco-me dele e em jeito de confidência atiro-lhe que o cristalino é assim como a imaginação, os sonhos ou os livros que gostamos de desarrumar em casa: permite-nos ver ao longe e ao perto.

A criança pergunta se o Universo é infinito. E Alexandre responde-lhe que isso por ora não interessa, porque há coisas mais bonitas que se escondem na finitude da palma da mão e que a questão da dimensão do Universo é algo que não é para um passeio destes sob uma álea de árvores bem floridas, bem abertas, bem despertas. É Primavera e parece-me que há jacarandás, cerejeiras e pessegueiros em flor. E a criança sorri. Sorri. Com a lucidez do teu sorriso e com os teus olhos Azul Neblina. Mas com o meu apetite pela Natureza.


A imagem é uma ilustração retirada de “Opticks” (1704), o célebre tratado de Isaac Newton sobre a Óptica. A edição facsimilada encontra-se disponível na íntegra aqui.