25 de junho de 2007

Antes de Adormecer V


Creio ser de Khlebnikov a seguinte afirmação: "Quando as pessoas morrem, cantam-se canções."

É este punhado de palavras tudo o que guardo comigo no coração para que, talvez um dia, também eu te possa compor uma canção. A mais triste e mais bela do mundo. Como o Azul que habita nos teus olhos quando a noite em mim se impõe, magistral e líquida, e a única coisa possível a fazer é tombar nessa leveza feliz e ciciar-te apenas isto: "quero-tanto, amor meu".